quarta-feira, 29 de junho de 2016

História da Cidade de Lisboa - banda desenhada

Arco da Rua Norberto de Araújo - Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016

A pintura mural intitulada "História de Lisboa", descreve a história desta bonita cidade, desde a sua fundação aos nossos dias. 

Concebida com algum humor, pelo ilustrador e autor de banda desenhada Nuno Saraiva, encontra-se localizada no Arco da Rua Norberto de Araújo, perto do Miradouro das Portas do Sol, em Lisboa.









Nuno Saraiva (ideia e ilustração)

Arco e Rua Norberto de Araújo no século XX

Igreja de São Vicente de Fora vista do Arco da Rua Norberto de Araújo (1964); fotografia (10x12 cm); negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Autor: Armando Serôdio (1907-1978) - Arquivo Municipal de Lisboa 
Rua Norberto de Araújo (07-09-1973); fotografia (6x9 cm); negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Autor: Armando Serôdio (1907-1978) - Arquivo Municipal de Lisboa 

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Santo António de todo o mundo

Imagens de Santo António; Museu de Santo António, em Lisboa. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016

O Museu de Santo António, integra um dos cinco núcleos do Museu de Lisboa, é dedicado à vida e culto do Santo. A devoção que o povo lhe dedica fazem dele um dos santos mais venerados em todo o mundo.  É expressa nos registos, medalhas, orações e imagens. Alguns exemplares fazem parte das colecções do Museu.
Venerado desde o séc. XIII, é considerado padroeiro de Portugal, a par da N. Sra. da Conceição, dos barqueiros, náufragos, marinheiros, propiciador de bons casamentos, invocado para encontrar objectos perdidos, protector dos lares e da família. 

No decorrer da visita ao Museu, somos impressionados pela qualidade e organização dos diversos espaços sobre os temas: Vida e culto de Santo António; Colecções antonianas; O Santo de todo o mundo; "Sant'Antoninho onde te porei..."; Zona multimédia. 

As festas em Lisboa, dedicadas a Santo António, a 13 de Junho, data da sua morte, incluem os Casamentos de Santo António, Marchas Populares, arraias, tronos e procissão.



Santo António; óleo sobre tela; séc. XVIII; dimensões; 630X495 mm; autor: Joaquim Manuel da Rocha - Museu de Santo António


Andor de Santo António; grupo cerâmico em barro vermelho; 1985; dimensões: 350X250 mm; autor: Armando Dias - Museu de Santo António

Imagem de Santo António com o Menino; madeira policromada, marfim, prata e seda; autor desconhecido; séc. XVIII - Museu de Santo António. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016
Imagem de Santo António; madeira estofada e prata; séc. XVIII; dimensões: 365 X125 mm - Museu de Santo António
Imagem de Santo António do Pão;  barro vermelho policromado; séc. XIX ; dimensões: 200 X120 mm - Museu de Santo António.
Imagem de Santo António; arte Indo-portuguesa; madeira e marfim policromado; séc. XVII (2ª metade); dimensões: 368 X140X82 mm - Museu de Santo António.

Fontes: 
http://www.museudelisboa.pt/colecoes/

quinta-feira, 16 de junho de 2016

A cidade de Lisboa vista por Henri L'Evêque no século XVIII

Vista da Cidade de Lisboa tomada da Junqueira

Dedicada a Sua Alteza Real O Príncipe Regente* de Portugal etc. etc. etc. Pelo Seu Muito Humilde e Reverente Criado Henrique L’Evêque

Vue de la ville de Lisbonne prise de la Junqueira
London published October 1816 by H. L'Evêque. Câmara Municipal de Lisboa - Arquivo do "comjeitoearte".


Verso da gravura

Descrição da gravura

A estampa representa a Rua Direita da Junqueira vendo-se: em primeiro plano, grupos de populares, entre os quais um “grupo de galegos dançando e tocando” e um barco em processo de descarga; em segundo plano, o palácio dos inícios do séc. XVIII, conhecido por palácio dos Patriarcas, residência dos Cardeais patriarcas de Lisboa, depois do terramoto, mais tarde comprado por Henri Burnay, posteriormente 1º conde do mesmo nome que nele fez obras profundas, transformando-o numa luxuosa residência dos finais do séc. XIX. Hoje é sede do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. No mesmo alinhamento, mas mais recuado o palácio dos condes do séc. XVIII, onde nasceu viveu e morreu D. João Gonçalves Zarco da Câmara, filho do 1º Marquês da Ribeira Grande, grande dramaturgo português. Foi depois comprado pelo Estado que nele instalou ultimamente o liceu da Rainha D. Amélia. No meio da praia, o Forte de S. João da Junqueira, que no tempo do rei D. José foi convertido em prisão de Estado.



Vista do Convento de Stº Jerónimo de Belém e da Barra de Lisboa

Dedicada a Sua Alteza Real O Príncipe Regente* de Portugal etc. etc.etc. Pelo Seu Muito Humilde e Reverente Criado Henrique L’Evêque


Vue de Convent de St. Jerome de Belém, et de l’entrée de la Barre de Lisbonne.
London published October 1816 by H. L'Evêque. Câmara Municipal de Lisboa - Arquivo do "comjeitoearte".


Verso da gravura

Descrição da gravura

No primeiro plano, grupos de populares, no seu dia a dia quotidiano, na praia de Belém ou "Restelo", vendo-se à esquerda, um barco na descarga de lenha; ao centro uma "barraca de comidas e vinho" com vários comensais sentados à mesa, sob os olhares de um mendigo e dum Andador de Almas. À direita, o grandioso convento "manuelino" dos Jerónimos e Igreja de Santa Maria de Belém (inícios do século XVI), ainda com o coroamento, em pirâmide, seiscentista da torre. Em plano mais recuado, várias construções hoje desaparecidas, destacando-se, junto da praia, o palácio que foi dos Marqueses de Marialva e já esbatida no horizonte, a torre de Belém.


Biografia

Henri L'Evêque (1769/1832) foi um pintor e gravador de origem suíça, nascido em Génova, casando em Inglaterra, onde fixou residência. Fez várias viagens a Portugal, tendo aqui estado nos finais do século XVIII e, mais tarde, incorporado no exército anglo-português durante a Guerra Peninsular. Escreveu sobre o nosso país a obra "Costume of Portugal", espécie de álbum ilustrado com 50 águas-tintas sobre tipos portugueses. É também autor de óleos e guaches fixando costumes e aspectos populares, feiras, etc.


* Sua Alteza Real o Príncipe Regente de Portugal é seguramente João VI ((Lisboa13 de Maio de 1767 — Lisboa, 10 de Março de 1826). 

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_VI_de_Portugal

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Tronos de Santo António na cidade de Lisboa

Rossio

        



Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Rossio (Praça D. Pedro IV). Fotos "comjeitoearte", em Junho de 2016.

Bairro do Castelo







Grupo Desportivo do Castelo, na Rua do Recolhimento, nº 51. Fotos "comjeitoearte", em Junho de 2016.

Costume antigo e profundamente enraizado nas tradições dos bairros da cidade, celebra o período das festas de Lisboa tomando como referência o santo mais querido e venerado das suas gentes, Santo António.

Dando crédito à lenda popular, transmitida de geração em geração, tal costume surge no período da reconstrução da cidade após a grande devastação provocada pelo terramoto de 1755, em que também a pequena ermida erigida ao que se supõe no local do nascimento de Fernando de Bulhões, nome mundano de Santo António, desaparecera.

As gentes da cidade de forma espontânea por toda ela promoveram peditórios, com o contributo dos mais jovens como forma de angariação de fundos  para a construção da actual igreja. Expressão bem sentida de uma devoção profunda pelo seu santo do coração.

Esta é uma das versões para a origem dos tronos dedicados a Santo António e com ela do pregão: “Um tostãozinho para o Santo António”


Bairro de Alfama



Largo de Santo António da Sé. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016

Detalhe; trono do Largo de Santo António da Sé. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016


Escadaria que dá acesso à Igreja Paroquial de São Miguel, no Largo de São MiguelFoto "comjeitoearte", em Junho de 2016.
Escadinhas de São MiguelFoto "comjeitoearte", em Junho de 2016.

Centro Paroquial de Alfama, na Rua de São Miguel. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016.

Calçadinha de Santo Estêvão. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016.
Loja de artesanato "Ponto Lx", Rua Augusto Rosa, nº 23. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016.

Bairro da Mouraria



Rua Marquês Ponte de Lima, nº 12. Foto "comjeitoearte", em Junho de 2016.


quarta-feira, 8 de junho de 2016

Montras de Santo António - 2

Montra da loja "Amarelo 28", na Rua de São Miguel, em Lisboa (foto "comjeitoearte", no dia 7 de Junho de 2016)
O circulo "Touch here", faz movimentar a imagem do Santo António. Foto "comjeitoearte", no dia 1 de Junho de 2016. 

Foto "comjeitoearte", no dia 7 de Junho de 2016

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Montras de Santo António - I



Montra da confeitaria "Rainha Dona Amélia", no Largo Santo António da Sé, em Lisboa (foto "comjeitoearte", em Junho de 2016).

A fotografia que aqui apresento está com pouca qualidade. Por este motivo peço desculpa aos amigos, visitantes e seguidores deste blogue. No entanto, não podia deixar de partilhar convosco esta montra bem bonita e original.



sábado, 4 de junho de 2016

A Torre de Belém vista por Noël no século XVIII


A view of the Castle of Belém at the entrance of the port of Lisbon
The original drawing by Noël, in the possession of Gerard de Visme.


Vista do Castelo de Belém à entrada do Porto de Lisboa
Desenho original da autoria de Noël. Pertence a  Gerard de Visme. Gravado por Wells (1793). Câmara Municipal de Lisboa -  Arquivo do "comjeitoearte".


Descrição da gravura

Paisagem fluvial vendo-se ao fundo o baluarte de S. Vicente, mais conhecido por Torre de Belém, construção do século XVI.

Em primeiro plano grupos de populares, cantando e dançando embarcam num bote, pronto a seguir viagem para a Outra Margem ou para Lisboa.

No rio, várias embarcações de maior calado* estão ancoradas.

*calado - profundidade do casco submerso.

Verso da gravura


Alexandre Jean Noël (1752-1834) foi um pintor francês. Discípulo de Joseph Vernet, Noël realizou desenhos e aguarelas de cenas marítimas e paisagens. Em Portugal, foi um dos principais pintores de paisagens dos finais do século XVIII, tendo pintado aguarelas com vistas do Tejo, do Aqueduto das Águas Livres e da Quinta de Gerard de Visme. Noël, está representado na colecção de pintura da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. É avô do pintor Alexis Nicolas Noël (1792-1871).

Gerard de Visme (1726-1797) foi um rico comerciante inglês, de origem francesa, radicado em Lisboa. Nesta cidade, mandou construir uma elegante residência neoclássica na sua Quinta de Benfica. No ano de 1789, arrendou a Quinta de Monserrate por nove anos, estabelecendo para o efeito um contrato com D. Francisca de Mello e Castro. A propriedade foi valorizada com a construção de uma casa de campo, o primeiro palácio de Monserrate, e embelezamento dos jardins. Faleceu em Wimbledon, Inglaterra.

Fontes:
https://fr.wikipedia.org/wiki/Alexis_Nicolas_No%C3%ABl
https://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandre_Jean_No%C3%ABl
http://www.fress.pt/Default.aspx?PageId=1
http://www.parquesdesintra.pt/pontos-de-atracao/proprietarios-e-construtores-de-monserrate/
http://purl.pt/1146

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Brinquedos tradicionais em madeira


Carrinho de boneca; madeira pintada com decoração vegetalista. Portugal (c. 1930). Museu Nacional do Traje (MatrizPix).


No Dia da Criança, façamos uma "viagem" pelos diversos brinquedos em madeira.




Brinquedo com galináceos; madeira pintada. Com o movimento giratório da palmatória, os galináceos levantam e baixam os pescoços simulando o debicar (séc. XX)PortugalMuseu Nacional de Etnologia (MatrizNet).


Pombinha articulada; madeira de pinho pintada. As asas movimentam-se com o andar das rodas. Portugal (séc. XX)Museu da Guarda (MatrizNet).



Ciclista articulado; madeira de pinho e arame. A campainha (integrada na roda) toca com o movimento. Portugal (séc. XX)Museu da Guarda (MatrizNet).


Carro de bois com pipo e figura humana; madeira. A figura masculina tem os braços articulados. Portugal. Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Camioneta de caixa aberta; madeira pintada. Marca DODGE (séc. XX). Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Cama de bonecas; madeira pintada e torneadaÍndia, Goa (séc. XX). Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet).



Berço de bonecas; madeira pintada e torneadaÍndia, Goa (séc. XX). Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet).


Cama de bonecas; madeira pintada.  Portugal. Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Viola; madeira pintada.  Portugal. Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Jogo do rapa; madeira pintada.  Portugal. Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Trotineta;madeira; marca SPORT. Portugal (séc. XX). Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Carro; madeira. Portugal (séc. XX). Museu dos Biscainhos (MatrizNet).


Mota; madeira, ferro, chapa e borracha. Criação popular. África (séc. XX). Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet).


Carro com atrelado; madeira, ferro, plástico e borracha. Criação popular. África (séc. XX). Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet).


Avião; madeira. Este brinquedo representa um hidroavião da Força Aérea Brasileira. Grupo cultural: Piratapura. Fronteira com a Colômbia (séc. XX). Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet).


Piasca; madeira. Brinquedo popular. Planalto Maconde, Moçambique (séc. XX).. Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet)



Espingarda; madeira. Bijagós, Guiné-Bissau (séc. XX)Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet)


Boneco; madeira torneada e pintada. Dez partes desmontáveis, enfiadas num eixo central. Índia, Goa. (séc. XX). Museu Nacional de Etnologia (MatrizNet).



Fonte:
http://www.matriznet.dgpc.pt/MatrizNet/Objectos/ObjectosFiltrarPorTema.aspx

http://www.matrizpix.dgpc.pt/MatrizPix/Fotografias/FotografiasConsultar.aspx?TIPOPESQ=2&NUMPAG=1&REGPAG=50&CRITERIO=brinquedos&IDFOTO=11831